Poesia

MACAU!

Minha Saudosa Terra,
A tua Beleza Oriental
Ofusca
Todos que por ti passam
És bela
No teu amanhecer
Coberta com o teu manto de neblina
Onde por vezes espreita,
De mansinho,
O Sol
Oiço, por vezes,
Nas minhas recordações,
O tilintar das campainhas
dos teus “Ricchós”
Estes triciclos que me transportavam
para lugares
Onde eu passava as minhas horas vagas
MACAU,
Recordo o cantar das tuas cigarras,
Nas tardes quentes de verão,
O clamor dos vendedores de chás,
Que ainda hoje,
Me sacodem a Alma!
Como eram graciosas
As tendinhas espalhadas pelas ruelas
A fervilhar de gente,
Onde eu saboreava as tuas especialidades chinesas
As tuas noites quentes
Onde se via os juncos atracados no cais
Balançados suavemente pelas ondas do teu Rio
E iluminados por candeeiros suspensos,
Como que unidos ao azul do Céu
MACAU!
Sabendo que um dia me vais deixar,
Com esta Saudade imensa
De tudo o que tens de Bonito,
Esta Saudade que me vai Corroer
Durante os dias da minha vida,
Sabendo que nada posso fazer
Para te conservar
Limito-me a sonhar e a manter
As recordações mais belas
Que de ti, para sempre
GUARDAREI!!

Isabel Possolo – 13/11/1996

 


 

SAUDADE

Companhia inseparável
De um coração sofredor,
Como és cruel
Quando entras e permaneces
Por tão longo tempo,
Sem dó nem piedade,
Alheia a tudo e a todos,
Onde és,
Raínha e senhora, nos dias sem sol,
Sombrios,
Atormentando com recordações,
da terra onde nasci,
De dias, outrora felizes,
Que jamais deixarão de vaguear,
Neste coração triste,
E que tu, SAUDADE,
Teimas em ficar.
Para que ele nunca se esqueça
De MACAU, minha terra,
Que ainda,
Por tanto tempo,
Neste coração permanece!!!!

Isabel Possolo – 29/09/1996

Deixe uma resposta

Close Menu